Portcom

Prêmios » Prêmio Luiz Beltrão 2007
Prêmio Vera GiangrandePrêmio Ligia AverbuckPrêmio Francisco Morel
Prêmio Freitas NobrePrêmio Luiz Beltrão

Prêmio Luiz Beltrão 2007

Quem é quem

1. Grupo Inovador

Canal Futura é um núcleo de produção de televisão educativa e de mobilização comunitária, de natureza privada, sem fins lucrativos e de interesse público.

Na década de 1990, a Fundação Roberto Marinho desenvolveu pesquisas quantitativas e qualitativas referentes a percepção do tele-espectador brasileiro sobre TVs educativas. A primeira pesquisa levantou hábitos e focos temáticos de interesse de educadores, público jovem, trabalhadores de nível técnico e donas-de-casa, com o objetivo de montar uma grade de programas que atendesse as expectativas desses públicos. A segunda pesquisa focou a produção de programas-piloto, testando sua receptividade junto a esses nichos específicos de público.

Essas pesquisas embasaram a decisão de criar o Canal Futura; uma experiência brasileira pioneira e ainda única de comunicação para transformação social que inovou o uso da tecnologia de audiovisual. Desenvolveu um modelo de produção televisiva educativa, participativa e inclusiva, não-comercial, nem governamental, sem fins lucrativos e de interesse público, com base em parcerias, mobilização comunitária, articulação em rede e pesquisa/produção cooperada.

Assistido por 33 milhões de pessoas (a maioria gratuitamente), o Futura articula e mobiliza a que é provavelmente a maior rede social do país. São mais de 12 mil instituições, entre organizações não-governamentais, movimentos sociais, universidades, tevês universitárias, agências nacionais e internacionais que, em parceria e com consultoria do Futura, expandem o sinal do Canal, ajudam a criar a sua programação, apropriam e aplicam na realidade local o conhecimento, elevando a sua produtividade, gerando novos conhecimentos e expandindo o sinal e tecnologia para 63% do território nacional.

Em uma década, o Canal produziu 67 mil horas de programação, beneficiou 33 milhões de telespectadores e ainda capacitou mais de 420 mil educadores, profissionais, estudantes e público-alvo de instituições sociais e de ensino. Só em 2006, realizou 250 horas de transferência de tecnologia em processos televisivos, com o intercâmbio de conhecimento e realizações conjuntas, que responderam por 7,14% do tempo real de produção do Canal. Além disso, garantiu gratuitamente o serviço de tele-atendimento aos operadores das TVs afiliadas para soluções de programação, durante todo o ano, 12 horas por dia.

2.Instituição Paradigmática

Aos 16 de maio de 1947, uma das disposições testamentárias do advogado, jornalista e empresário Cásper Líbero concretizou-se com a inauguração da escola pioneira do ensino superior de Jornalismo no Brasil – a Faculdade Cásper Líbero – cuja atuação na área da educação foi ampliada posteriormente com a abertura dos cursos de Publicidade e Propaganda e de Relações Públicas, em 1972; do curso de Rádio e TV, em 2002; e do curso de Turismo, no ano seguinte.

Vale destacar, inclusive, que os cursos da Instituição são os únicos que estão até os dias de hoje ligados a um conglomerado de comunicação, que inclui uma estação de rádio, uma emissora de televisão e um jornal eletrônico – todos sob a assinatura da Gazeta.

A constante atualização dos projetos pedagógicos, as aulas ministradas e os projetos específicos e interdisciplinares são complementados por outras atividades que permitem a formação teórica e prática dos alunos da graduação e da pós-graduação. São elas: Revista Esquinas; Revistas Propulsão, Ação, Newsletter, Líbero e Communicare; Programa de TV Edição Extra (exibido em TV aberta); Rádio Universitária; Eventos como Café Filosófico, Prata da Casa, Grandes Nomes; Semark, Seminário PP e Semana do Audiovisual.

A Faculdade Cásper Líbero investe na formação continuada de seus professores, incentivando sua participação em eventos e cursos, oferecendo gratuitamente cursos internos de extensão e de pós-graduação lato e stricto sensu e proporcionando bolsas de desenvolvimento de pesquisas na área da Comunicação.

Por todas essas razões apresentadas, a Faculdade Cásper Líbero vem há 60 anos mantendo seu compromisso de fomentar as mais relevantes questões ligadas ao ensino da comunicação no País.

3. Liderança Emergente

Alfredo Eurico Vizeu Pereira Junior - (Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Artes e Comunicação/Departamento de Comunicação)

Possui mestrado em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1997) e doutorado em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002).

Atualmente é vice-coordenador do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), membro do conselho científico da Sociedade Brasileira dos Pesquisadores em Jornalismo, coordenador do GT de estudos de jornalismo da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Comunicação e conselheiro fiscal da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação.

Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Jornalismo, atuando principalmente nos seguintes temas: imprensa, notícia, telejornalismo, estudos do jornalismo e ética. Exerceu atividade de jornalismo a partir de 1979 na TV Guaíba, TV Bandeirantes, Jornal Zero Hora, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul; TV Globo, São Paulo; TV Manchete e TV Bandeirantes, Rio de Janeiro; revistas Tela Viva e PayTV, como correspondente no Rio de Janeiro.

4. Maturidade Acadêmica

Antonio Hohlfeldt – (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - FAMECOS/PUCRS).

Jornalista profissional desde 1968, Doutor em Lingüística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Coordenou o Programa de Pós-Graduação em Comunicação da PUCRS, onde leciona, dentre outras, as disciplinas Teorias da Comunicação; Comunicação e Opinião Pública; Comunicação e Política. Orienta mestrandos e doutorandos do PPGCOM. Participa de um projeto de pesquisa sobre a História da Imprensa no Rio Grande do Sul.

É autor de dezenas de livros de ficção para crianças e jovens, e publicações no campo da comunicação. E, não obstante ter exercido a Vice-Governança do Rio Grande do Sul de 2002-2006, participou ativamente dos principais encontros nacionais e internacionais sobre as ciências da comunicação, durante aquele período, como tem feito regularmente ao longo de sua carreira acadêmica.

Foi responsável pela publicação integral, através da editora da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, da tese de doutorado de Beltrão - Folkcomunicação –Um estudo dos Agentes e dos Meios Populares de Informação deFatos e Expressão de Idéias. Apesar de Luiz Beltrão ser o primeiro Doutor em Comunicação diplomado por Universidade Brasileira, e sua tese haver sido defendida em 1967, esse documento histórico permaneceu inédito até 2001.