Portcom

JORNAL INTERCOM NOTÍCIAS
Jornal semanal da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação

Ano 3, nº. 46, São Paulo – SP – Brasil 02 de fevereiro de 2007

Sumário desta edição
Outras edições

 

Acontece

Intercom Nordeste: Seminário Théo Brandão em Maceió

A Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom) promoveu, na última sexta-feira (26 de janeiro) a organização de dois painéis cujos participantes discutiram a importância da obra do professor alagoano Théo Brandão. O seminário Centenário Théo Brandão contou com as presenças de familiares do homenageado, professores e estudantes de faculdades alagoanas.

A abertura oficial foi feita pela representante da Intercom Nordeste, profª. drª. Magnólia Rejane Andrade dos Santos e pela Diretora do Museu Théo Brandão, onde foi sediado o encontro, profª. Msc. Leda Almeida.

No primeiro painel intitulado "Théo Brandão e a folkcomunicação", a profª. drª. Rossana Gaia (Cefet-AL) fez a leitura de um texto envido pelo presidente de honra da Comissão Nacional de Folclore, Bráulio Nascimento, no qual ele destacou os estudos do pesquisador alagoano por terem possibilitado referências importantes para estudos da cultura popular brasileira, sendo referência internacional. A professora também fez a leitura de um texto enviado pelo prof. dr. Roberto Benjamin, que por motivos de saúde não pode comparecer ao encontro. Em seu texto, com narrativa em primeira pessoa, Benjamin destacou a forma como conheceu Théo Brandão, em 1977 e a importância dos reencontros que teve com o professor, sobretudo na Biblioteca Amadeu Amaral, no Rio de janeiro, onde ambos costumavam realizar pesquisas.

Ainda no primeiro painel, o presidente da Intercom, prof. dr. José Marques de Melo, relatou, em pesquisa inédita, o percurso comunicacional de Théo Brandão, bem como o encontro que teve com Brandão, na USP, com a intenção de fundar o curso de comunicação social na Universidade federal de Alagoas. Marques de Melo destacou em, sua apresentação, a importância dos estudos de Brandão na área de folkcomunicação.

A curiosidade de Théo Brandão sobre os objetos da folkcom foi destacada pelo prof. dr. Osvaldo Trigueiro, presidente do NP de Folkcomunicação da Intercom e prof. da UFPB. O relato de Trigueiro, também em primeira pessoa, revelou peculiaridades dos encontros que manteve com o pesquisador alagoano, quando ainda estava no início das sua vida como pesquisador.

O segundo painel intitulado "Théo Brandão: presença no jornalismo e destaque na cultura alagoana" foi marcado por vários relatos. O prof. Ms. Bruno César Cavalcanti destacou a importância das publicações pioneiras de Théo Brandão no jornalismo alagoano e que serviu como base importante para seus discípulos: Ranilson França (que morreu em 2006), a museóloga Carmen Lúcia Dantas e o prof. dr. em antropologia José Maria Tenório. O grande dasafio na época atual, segundo Bruno César, está em ressignificar os estudos de Brandão. O ex-secretário de Educação e Cultura de Sergipe, prof. dr. Luiz Antonio Barreto destacou a importância dos relatos de conquistas (cantadores de coco de roda) e as ligações importantes que Théo Brandão construiu entre a ciência e a sabedoria popular, entre o tempo da história e as sociedades atemporais. A museóloga Carmen Lúcia Dantas fez um relato emocionado sobre seu encontro com o mestre e posteriormente suas ações como diretora do Museu Théo Brandão. Os filhos de Théo Brandão, presentes ao seminário, entregaram a Carmen Lúcia uma placa em agradecimento aos esforços que desenvolveu para confirmar o espaço de pesquisa como um ambiente aberto à sociedade alagoana. Um dos principais discípulos de Théo Brandão, o prof. José Maria Tenório, esteve no encontro, mas o texto que programou para o evento foi lido pela profª. drª. Rossana Gaia, já que ele estava muito emocionado.

As atividades foram encerradas com trechos de galope à beira mar desenvolvidos pelo poeta popular João de Lima, no qual criou a narrativa de um sonho, onde encontrava o prof. Théo Brandão no céu.