Portcom

JORNAL INTERCOM
Jornal quinzenal da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação

Ano 6, nº 163, São Paulo – SP – Brasil 13 de julho de 2010
ISSN 1982-372X

Sumário desta edição
Outras edições

 

Destaque

Intercom divulga resultados do Prêmio Luiz Beltrão 2010

Lucia Santaela e Rogério Christofoletti ganham o premio Luiz Beltrão 2010 nas Categorias “Maturidade Acadêmica” e “Liderança Emergente”; Grupo de Bauru e Fundação Joaquim Nabuco são premiados nas categorias “Grupo Inovador” e “Instituição Paradigmática”.

Cada vez mais disputado e com maior número de indicações, o Prêmio Luiz Beltrão de Ciências da Comunicação, outorgado anualmente pela Sociedade Brasileira de Estudos interdisciplinares da Comunicação – Intercom – tem na edição de 2010 como ganhadores a professora e pesquisadora Lucia Santaella, o jornalista e professor Rogério Christofoletti, o Grupo de Bauru e a Fundação Joaquim Nabuco.

Lucia Santaella foi contemplada na categoria Maturidade Acadêmica.  Professora titular no programa de Pós Graduação em Comunicação e Semiótica da PUC-SP, onde coordena o curso de Pós-graduação em Tecnologias da Inteligência e Design Digital, é também diretora do CIMID — Centro de Investigação em Mídias Digitais e Coordenadora do Centro de Estudos Peirceanos. Santaella é uma das principais pesquisadoras do campo da Semiótica no Brasil. Seu trabalho, reconhecido nacional e internacionalmente, estende-se às áreas da Comunicação, Semiótica Cognitiva e Computacional, Estéticas Tecnológicas e Filosofia e Metodologia da Ciência.

O resultado está registrado nos 31 livros publicados, dentro os quais cinco são em co-autoria e dois são estudos críticos, além da organização de outras 11 obras. Os títulos também evidenciam a sua contribuição para a construção e o fortalecimento dos estudos da Semiótica e Comunicação. Entre eles, é presidente honorária da Federação Latino-Americana de Semiótica e da Charles S. Peirce Society, USA; recebeu o prêmio Jabuti em 2002 e em 2009; e o Prêmio Sergio Motta, Liber, em Arte e Tecnologia, em 2005; foi pesquisadora associada no Research Center for Language and Semiotic Studies em Bloomington, Universidade de Indiana. Desde 1996, tem feito estágios de pós-doutorado em Kassel, Berlin e Dagstuhl, Alemanha, sob os auspícios do DAAD/Fapesp.

Na categoria Liderança Emergente, o premiado deste ano é o jornalista e professor Rogério Christofoletti que criou, organizou e comandou o Monitor de Mídia.  É um dos mais destacados líderes da Rede Nacional de Observatórios da Imprensa. Christofoletti é graduado em Comunicação Social Jornalismo (UNESP, 1994), mestre em Lingüística (UFSC, 1999) e doutor em Ciências da Comunicação (USP, 2004). Pesquisador em Produtividade do CNPq (nível 2), é professor do Departamento de Jornalismo da UFSC, onde também atua no Programa de Pós-Graduação. Tem artigos publicados em periódicos especializados no Brasil, Portugal, Peru, Equador e Colômbia. É autor de três livros e co-organizador de outros quatro.

Como pesquisador, já desenvolveu projetos de investigação científica com financiamento do CNPq, Fapesc, UOL, ANDI e UNESCO. De 2002 a 2004, foi vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina. De 2005 a 2009, coordenou a Rede Nacional de Observatórios de Imprensa (Renoi). Desde 2009 é um dos líderes do Observatório da Ética Jornalística (objETHOS). É membro do Conselho Científico da SBPJor, e editor da revista Estudos em Jornalismo e Mídia (UFSC). Coordena o Prêmio Adelmo Genro Filho na SBPJor.

Na modalidade Instituições, categoria Grupo Inovador, o Prêmio Luiz Beltrão 2010 foi concedido para o Grupo de Bauru, que corresponde ao Departamento de Comunicação Social da Faculdade de Artes, Arquitetura e Comunicação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP – Campus de Bauru). Instituído em 1975, o Departamento de Comunicação Social passou a coordenar os cursos de graduação em Relações Públicas, Radialismo e Jornalismo, promovendo um ensino qualificado e sintonizado com a realidade atual dos meios de comunicação impressos e eletrônicos. Neste ano, a instituição inaugurou a primeira emissora de televisão universitária digital do país.

Além de editar a revista Comunicação Midiática, o Grupo de Bauru tem mantido sintonia permanente com a comunidade de ciências da comunicação, atraindo para o seu campus eventos do porte do Regiocom – Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional, Compós – Encontro Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação Social, Ulepicc – Congresso da União Latina de Economia Política da Comunicação e da Informação, Celacom – Colóquio Internacional da Escola Latinoamericana da Comunicação, e promovendo eventos inovadores, como os recentes Seminário Internacional de Televisão Digital, o LECOTEC – Seminário de Comunicação, Tecnologia e Educação Cidadã, Seminário de Comunicação e Ciência, e o Seminário de Estudos Avançados em Jornalismo.

Pesquisadores vinculados ao Grupo de Bauru têm se projetado na comunidade nacional de ciências da comunicação, entre eles Ana Silvia Médola, Antonio Carlos de Jesus, Luciano Guimarães, Juliano Mauricio de Carvalho, Célia Retz dos Santos, Marcelo Bulhões e Zeca Marques. Da mesma forma, o Grupo vem atraindo pesquisadores estrangeiros para desenvolver atividades de ensino, pesquisa e extensão, como por exemplo, Jean Servaes (Austrália), Francisco Sierra (Espanha), Jorge Pedro de Sousa (Portugal). O Grupo de Bauru também sedia órgãos de reconhecida utilidade pública, agregados ao Centro de Rádio e Televisão Cultural e Educativa, que mantém a Rádio UNESP FM e a TV Digital da UNESP. Este último projeto faz parte do programa de inovações tecnológicas e científicas induzido pela CAPES, captando vulto significativo de investimentos públicos.

Completando a lista dos premiados, a Fundação Joaquim Nabuco recebe o prêmio na categoria Instituição Paradigmática. Trata-se de instituição pública mantida pelo Ministério de Educação em Recife (PE), cuja contribuição à preservação e difusão da memória midiática constitui um paradigma para outras instituições nacionais. Em 2010, comemora-se o centenário da morte do seu patrono, Joaquim Nabuco, e os 110 anos do nascimento do seu fundador, Gilberto Freyre. Sua missão institucional é produzir, acumular e difundir conhecimentos, resgatando e preservando a memória, bem como promovendo atividades científicas e culturais, visando à compreensão e ao desenvolvimento da sociedade brasileira, prioritariamente a do Norte e do Nordeste do país.

Autarquia federal dirigida durante vários anos por Gilberto Freyre, o primitivo Instituto Joaquim Nabuco foi transformado em fundação pública em 1980, passando ao comando de seu filho Fernando de Mello Freyre, que ali permaneceu até o Governo Lula, quando o Brasil optou pela mudança. Com esse novo olhar sobre o Brasil, o ministro Cristovam Buarque lançou um desafio à FUNDAÇÃO JOAQUIM NABUCO: “Temos que completar a República, temos que fazer a segunda abolição. A chave disso é a educação do povo brasileiro. Esse é o desafio que temos pela frente. E a Fundação Joaquim Nabuco deve liderar esse movimento de pensar o Brasil com olhos alternativos.” É com esse desafio à frente que a atual gestão, comandada pelo Presidente Fernando Lyra, propôs um amplo debate sobre como a Fundação Joaquim Nabuco pode contribuir na reconstrução de um Brasil melhor para todos os brasileiros. A idéia central é priorizar a inclusão social e o desenvolvimento local sustentável, a partir dos eixos temáticos Educação, Cultura e Ciência e Tecnologia.

 
A entrega solene dos diplomas aos vencedores do Prêmio Luiz Beltrão 2010 será realizada no dia 5 de setembro próximo, às 20 horas, no Personal Royal Hotel, na cidade de Caxias do Sul (RS), durante o 33º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação.

A Consolidação do Prêmio
Instituído em 1997, o prêmio Luiz Beltrão é uma homenagem ao pioneiro da pesquisa científica em comunicação no Brasil, além de ser um reconhecimento à excelência do trabalho realizado nas universidades por docentes e pesquisadores, bem como por entidades e grupos que fomentam estudos ou desenvolvem projetos comunicacionais relevantes para o desenvolvimento sócio-cultural.

Os candidatos ao prêmio, em cada uma das categorias, são indicados anualmente pela comunidade acadêmica da área. Após a indicação, um júri composto por ex-presidentes da Intercom e por todos os vencedores da categoria maturidade acadêmcia, presidido pelo fundador da Intercom, professor doutor José Marques de Melo, realiza a votação.

Sob o patrocínio do Programa Globo Universidade, o prêmio Luiz Beltrão 2010 foi coordenado pela professora Rosa Maria Cardoso Dalla Costa, Diretora Cultural da Intercom. Para maiores informações: rmdcosta@uol.com.br.

A Diretoria da Intercom agradece a todos os que participaram da edição 2010 do Prêmio Luiz Beltrão, fazendo indicações, e ao Júri, por ter atendido prontamente à solicitação para que votassem e cumprissem o cronograma estabelecido.