Portcom
Erro ao processar o arquivo SSI

 

Acontece

Intercom forma redes nacionais integradas para dinamizar atividades científicas

Desde o início deste ano, a Diretoria Executiva da INTERCOM vem debatendo a renovação da sua estrutura organizacional, a partir das experiências aglutinadoras dos sócios, inicialmente em GTs e recentemente em NPs. Depois de várias consultas, chegou-se a uma proposta consensual, que foi preliminarmente discutida com os atuais coordenadores de NPs em reunião realizada no Rio de Janeiro, no início de julho. Feitos alguns ajustes, o documento provisório foi submetido à apreciação do fórum que se reuniu em São Paulo, nos dias 1-2 de agosto, incluindo os membros da atual e da próxima diretoria executiva, bem como os integrantes do conselho curador da associação.

As diretrizes do projeto aprovado devem ser implementadas a partir do congresso de Natal, permitindo a re-aglutinação dos sócios até dezembro deste ano, de modo a garantir que a nova estrutura entre em vigência no início de 2009. Vários coordenadores de NPs estão reclivando seus espaços e animando as lideranças segmentadas a apresentarem propostas. Esse cronograma está articulado com o desenvolvimento de um programa informático que a UNICENTRO está fazendo para a nossa associação, unificando os sistemas hoje fragmentados (congressos, portais, documentação, administração etc.).

São as seguintes as mudanças previstas:

1. Transformação dos núcleos de pesquisa

Não se trata de uma simples troca de nomenclatura. O que muda com a transformação é a filosofia de inserção dos pesquisadores na área, propondo-se uma transformação que seja inclusiva e voltada para o desenvolvimento continuado das pesquisas. Assim, ao invés de representar o término das atuais áreas de agregação dos sócios em torno dos antigos Grupos de Trabalho e dos atuais Núcleos de Pesquisa, significa a manutenção dessas áreas, expandidas e flexibilizadas. Trata-se de capitalizar a experiência acumulada, otimizando os êxitos e refugando os desacertos.

A intenção é contemplar lugares de pesquisa hoje presentes nos estudos de comunicação, mas de certo modos engessados pelo gigantismo ou raquitismo característicos da nossa atual conformação. Não comportando iniciativas permanentes e integradoras, a estrutura vigente limita-se à seleção de trabalhos inscritos no congresso anual por demanda espontânea.

Além disso, a proposta prevê a inclusão de pesquisadores de todos os níveis, com estruturação numa lógica, ao mesmo tempo, horizontal e vertical. Sua finalidade principal é a organização de Grupos de Pesquisa, consolidados e atuantes, através de redes nacionais integradas. Desta maneira, caberá aos coordenadores um papel mais ativo, liderando os respectivos grupos e superando a função atual de mediadores sazonais entre sócios isolados e a diretoria da INTERCOM.

2. Divisões Temáticas

Trata-se de macro-estruturas concebidas de acordo com a atual composição dos espaços aglutinadores da associação, no sentido de abrigar micro-estruturas propostas por grupos de sócios aglutinados informalmente em projetos de pesquisa nas universidades;

DT 1 – Jornalismo – Grupos cogitados: Gêneros Jornalísticos, Jornalismo Impresso, Radiojornalismo, Telejornalismo, Ciberjornalismo, Teoria do Jornalismo

DT 2 - Propaganda e Publicidade - Grupos cogitados: Publicidade Comercial / Marketing Institucional, Propaganda Política e Marketing Eleitoral, Merchandising, Teoria da Publicidade e Propaganda.

DT 3 – Comunicação Organizacional - Grupos cogitados: Comunicação Empresarial, Comunicação Governamental, Comunicação do Terceiro Setor, Teoria das Relações Públicas

DT 4 – Comunicação Audiovisual – Grupos cogitados: Cinematografia, Mídia sonora, Televisão, Fotografia.

DT 5 – Comunicação Multimídia - Grupos cogitados: Ficção Seriada, Quadrinhos, Culturas urbanas, Livro e Leitura , Produção Editorial, Conteúdos Digitais.

DT6 – Comunicação Especializada - Grupos cogitados: Comunicação educativa, Comunicação científica , Comunicação esportiva, Comunicação política, Comunicação religiosa, Comunicação turística.

DT 7 – Comunicação, Espaço e Cidadania - Grupos cogitados: Comunicação internacional, Comunicação regional, Comunicação local, Comunicação para a cidadania, Comunicação étnica, Comunicação de gênero

DT 8 – Estudos Interdisciplinares da Comunicação - Grupos cogitados: Epistemologia da Comunicação, Pensamento Comunicacional Latinoamericano, Informação em Ciências da Comunicação, Semiótica da Comunicação, Economia Política da Comunicação, Políticas de Comunicação e Cultura, Folkcomunicação, Geocomunicação.

Observação: Alguns desses grupos já existem, estruturados sob a forma de NPs ou suas sub-divisões: outros grupos já funcionaram e foram desativados; finalmente, há os que estão sendo propostos pelos sócios. Mas a sua subsistência dependerá da iniciativa das lideranças, que devem submeter propostas de redes nacionais, de acordo com os requisitos já aprovados.

3. Grupos de Pesquisa

A condição preliminar para a existência de um GP é ter sede fixa, durante pelo menos 3 anos, numa mesma instituição, que se comprometa a abrigar o grupo, mantendo página acadêmica na internet para divulgar as atividades realizadas e armazenar o conhecimento produzido por seus integrantes, além de formalizar a parceria institucional com a INTERCOM, através de protocolo específico, bem como identificando-se como GP INTERCOM/UXYZ. A permanência da sede poderá ser ratificada, a cada 3 anos, ou transferida para outra instituição, sempre que um dos membros docentes do grupo a ela pertencer

São duas as modalidades de GPs:

Os GPs incluídos nas DTs poderão acolher pesquisadores classificados nas seguintes categorias:

4. Tipos de trabalhos

As Divisões Temáticas englobarão espaços para apresentação de trabalhos nos congressos nacionais e regionais:

1. ESTUDOS TEÓRICOS (ET) - Comunicação de pesquisa teórica: apresentação dissertativa e/ou reflexiva de estudo baseado em fontes secundárias, de natureza bibliográfica ou hemerográfica (estado da arte de um objeto ou área do conhecimento, no tempo e no espaço).

2. ESTUDOS EMPÍRICOS (EE) - Comunicação de pesquisa empírica: descrição de evidências e interpretação de tendências resultantes da observação sistemática de processos, rotinas, fluxos, efeitos, bem como da análise de documentos primários ou de trabalhos de campo.

3. INICIAÇÃO CIENTÍFICA (IC) - Comunicação de iniciação científica: apresentação de resenhas bibliográficas ou de trabalhos exploratórios, supervisionados por docentes-pesquisadores.

4. DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA (DC) - Comunicação de divulgação científica: apresentação de leituras simplificadas de pesquisas teóricas, empíricas ou experimentais, adaptadas didaticamente para compreensão de iniciantes ou não especialistas naquela área de conhecimento

5. PESQUISA EXPERIMENTAL (PE) - Comunicação de pesquisa experimental: apresentação de resultados de trabalhos laboratoriais, oficinas de produção, difusão e gestão de conteúdos, testes de aplicação tecnológica, criação artística e similares.

5. Modalidades de trabalho

Os trabalhos poderão ser inscritos nas seguintes modalidades: